A vez dos quadrinhos? Vistos tempos atrás como histórias menores e de intelecto duvidoso, os populares quadrinhos ou HQs estão cada vez mais presentes no ensino e aprendizagem

Responda de bate pronto: qual sua primeira memória de literatura ou livros, quando começou a aprender a ler?
É bem provável que sua resposta seja alguma revistinha, termo carinhoso com o qual se costumava chamar as HQs em décadas passadas. Alguns setores educacionais e muitos pais e mestres, torciam o nariz para este tipo de leitura, talvez por influência de pais e professores antigos, que não viam a necessidade do lúdico e da diversão quanto às práticas pedagógicas.
Neste universo que auxiliou muitas crianças a desenvolver o gosto pela leitura, a desenharem e até mesmo criarem suas próprias historinhas, personagens marcantes como Cascão, Mônica e Cebolinha, da turma da Mônica, criada pelo mestre Mauricio de Souza, super-heróis da Marvel, da Disney e tantos outros, exerceram tamanho fascínio aos pequenos grandes leitores.


De geração para geração, este fascínio só faz aumentar. De olho nesta ótima possibilidade tanto de entretenimento quanto de ensino, devido ao uso HQs vez em HQs, mangás (os quadrinhos orientais), trazendo esta linguagem até mesmo para clássicos da literatura, como Machado de Assis.

Mangá: bíblicos e ensinando idiomas

Embora muitos identifiquem os mangás com violência ou erotismo (o chamado hentai) , há muitas vertentes destes traços japoneses para se ler de trás para frente. Oriundo da cultura oriental e dominando o mundo, o mangás aparecem cada vez mais em temáticas diversas.
No Japão, por exemplo, ele é usado no ensino de disciplinas como ciência e matemática, tendo ainda uma versão do velho e novo testamento da bíblia todo desenhado e com o roteiro baseado nestes livros milenares.
Pessoas que buscam maior contato com outras culturas e línguas também aderem as HQs muitas vezes, como uma ponte facilitadora entre o idioma e as aprendizagens iniciais do idioma, desde espanhol, inglês, até mesmo o próprio japonês.

No Brasil

Sendo abordado inclusive nos PCNS (Parâmetros Curriculares Nacionais) no tocando aos gêneros textuais, o quadrinho é muito usado em sala de aula inclusive. Os educadores veem esta possibilidade como facilitadora. Muitas vezes, um livro por si só, não é o suficiente para despertar a atenção e a paixão do aluno pela leitura. Com clássicos transportados para a linguagem dos quadrinhos, como Jose de Alencar, Machado de Assis e tantos outros títulos já disponíveis, o interesse dos alunos pela leitura aumentou significativamente.
Há ainda livros didáticos referentes ao conteúdo de história, português, geografia, filosofia e temas como Revolução Russa, Guerra dos Farrapos, entre outros, lançados pela editora Escala Educacional.
Se você é um professor sintonizado com a realidade pedagógica atual e quer investir mais nas HQs em aula, há um ótimo livro chamado Como Usar As Histórias em Quadrinhos Na Sala de Aula, lançado pela editora contexto. Fica então a dica.
Reações:

3 comentários:

  1. É bem mais gostoso ler algo em forma de HQ, fica mais ludico, mais prazeroso, mas acredito que isso deva ser apenas um inicio, acho que outras formas de leitura e escrita deve ser apresentado. É uma boa forma de incentivo a leitura, mas não deve ficar só nisso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Juliana,

      no meu tempo funcionava muito bem a interação que tinhamos com os quadrinhos, era uma ótima forma de deixar menos "chata" a aprendizagem. Acho que nos tempos modernso devmos explorar uma pouco mais a tecnologia na hora de ensinar. Agradeço a presença por aqui e a colaboração;

      Excluir
  2. oLA ADOREI SEU BLOG, JA ESTOU TE SEGUINDO SEGUE O MEU OK?
    http://fatladyslovemakes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e nos ajude a melhorar a qualidade de nossas postagens.