De olho no vestibular: conheça um pouco mais sobre o poeta Fernando Pessoa

Ele foi uma das almas mais iluminadas da literatura mundial. Seu impulso criativo e genialidade foram tanta, que ele criou vários escritores diferentes para si mesmo. Uma extensão do próprio “eu”, os chamados heretônimos.
Com toda certeza, Fernando pessoa é o tipo de leitura para ler com prazer, antes de tudo. Conheça mais sobre ele e amplie seus conhecimentos!

O grande poeta modernista

Fernando Antônio Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, em 1888. Ficando órfão de pai aos cinco anos, pouco depois morre seu irmão, com menos de um ano.
As dificuldades econômicas obrigam sua mãe a vender os moveis e a casa. Essa época difícil parece estar presente nos versos do poema “aniversário”, do heterônimo Álvaro de Campos:
“... O que eu sou hoje é terem vendido a casa, e terem morrido todos”.
Ele foi um homem de inteligência extremamente sensível e rara, revolucionou com seus fascinantes heterônimos toda uma geração e continua a fascinar até hoje.

Os heterônimos de pessoa: várias pessoas de uma pessoa só

O que mais intriga e fascina é o fenômeno da multiplicação do poeta em diversos outros escritores, com nome, existência e estilos próprios. Fernando Pessoa é ele mesmo (ortônimo) e ao mesmo tempo diversos outros poetas como: Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Ricardo Reis, Bernardo Soares, Vicente Guedes, C. Pacheco, Antonio Mora e Alessander Search.

Caeiro

Alberto Caeiro “nasceu” a 8 de março de 1914, é mestre dos demais, foge para o campo, pois, sendo poeta e nada mais, poeta por natureza deve procurar viver simplesmente como as flores, os prados. A vida de Caeiro não pode narrar-se, pois, que não há nela de que narrar. Seus poemas são o que houve nele da vida. Em tudo, mais não houve incidentes nem há história. É poeta que procura viver o presente sem grandes preocupações, o fato de viver já o satisfaz.

Reis

Ricardo Reis nasceu na cidade do Porto, em 19 de setembro de 1887, formado em Medicina, politicamente defendia a monarquia e por não concorda com a republica exilou-se no Brasil. É discípulo de Caeiro, de quem aproveitou a lição de paganismo espontâneo e admira a natural inocência. O poeta representa o lado humanístico de Fernando Pessoa recuperando aspectos da antiguidade clássica.

Álvaro de campos

Álvaro de Campos é o poeta moderno, do século XX e opõe-se á poética tradicional, pelo menos na maior parte de sua obra, exceto alguns sonetos e o “Opiário”. Os poetas modernos do século XX valorizam a liberdade métrica e rítmica. Na poesia moderna, o ritmo busca colocar em cheque os padrões tradicionais que conferem ao verso uma regularidade métrica, certa uniformidade rítmica, um efeito de retorno acentual.

Entendendo Pessoa

Não se trata de um autor escrevendo sobre vários pseudônimos, mas de vários autores habitando na mesma pessoa física; são realmente conforme a designação por ele próprio usada os seus “heterônimos”, e as obras dele “do autor” fora de sua pessoa, expressão de uma individualidade completa fabricada por ele. Fernando Pessoa intriga e fascina a todos que se pré-dispõem a conhecer sua obra.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e nos ajude a melhorar a qualidade de nossas postagens.